Kristen Stewart escolhe vestido de Zuhair Murad para retorno

Kristen veste modelo da coleção couture de Zuhair Murad

Kristen Stewart teve seu tão aguardado retorno nesta quinta-feira (6), para promover o filme “Na Estrada” (2012) no Festival de Cinema de Toronto. Para o evento, a atriz de 22 anos escolheu um vestido do designer libanês Zuhair Murad.

A peça de renda preta, de comprimento comportado, ainda conta com bordados de flores brilhantes. O vestido faz parte da coleção “Skin Flowers”, Outono/Inverno 12/13, e o par de scarpin é de Jimmy Choo. Portanto, fica a dica: se cometer algum momento de “indiscrição” na sua vida, chegue brilhando, de cabeça erguida, e tenha toda a atenção voltada para o seu look. Vá de Kristen! 😉

No fim do vídeo abaixo, tem até um ótimo carão que ela fez, após ser questionada por um repórter como ela estava depois do sumiço:

Anúncios

Elvis não morreu!

Morte de Elvis completa 35 anos

A morte de Elvis completa 35 anos nesta quinta-feira (16). O indiscutível rei do rock faleceu no dia 16 de agosto de 1977. Para muitos, como a morte ainda é cheia de mistérios, “Elvis não morreu”. E não morreu mesmo, já que a sua imagem ainda é bastante presente e, afinal, ícones vivem para sempre.

Além do legado musical e artístico de Elvis, outra herança bastante viva é o estilo do cantor e ator. Fiz uma consulta rápido com meus amigos. A pergunta foi: “quando vocês pensam no Elvis, imaginam ele com qual roupa?”. A resposta foi unânime: “com aquele macacão branco”.

E “aquele macacão branco” é o traje American Eagle, feito pelo designer de roupas Bill Belew, responsável por criar outros looks exibidos por Elvis nos palcos. O traje é um dos figurinos de palco mais marcantes que já foi criado. No entanto, antes de construir essa imagem imponente e, pelo visto, eterna, bem no começo da carreira (meados da década de 50), o cantor tinha um visual rockabilly –foi daí que surgiu o topete!

O traje American Eagle foi feito pelo designer de roupas Bill Belew

Depois, com a carreira no cinema, Elvis teve que optar por looks mais sérios e sóbrios, que ajudaram a criar a imagem de bom moço e de galã. No cinema, Elvis atuou em 31 filmes e, apesar do extenso número de filmes, a imagem de Elvis nas telonas é bastante homogênea –tirando os looks dos filmes de época que fez.

A combinação de sucesso nas telonas era blazer, camisa desabotoada (revelando parte do peitoral), calça social e sapatos oxford ou penny loafer. Olha só:

Elvis em “Viva Las Vegas” (1964)

Cena do filme “Canções e Confusões” (1967)

William Travilla, o gênio por trás de Marilyn Monroe

Marilyn Monroe em cena do filme “O Pecado Mora ao Lado”, de Billy Wilder

A morte de Marilyn Monroe vai completar 50 anos neste domingo (5). Em 1962, um dos maiores símbolos sexuais do cinema morreu de overdose e, até hoje, esse episódio ainda é envolto por mistérios. No entanto, é fato que, com sua ingênua sensualidade e atitude provocante, Marilyn foi como um furacão para a sexualidade ainda em erupção e até repressiva dos anos 50.

Um dos momentos mais icônicos da carreira da atriz foi no filme “O Pecado Mora ao Lado” (1955), dirigido por Billy Wilder (“Crepúsculo dos Deuses”). A atriz e o diretor ainda levam o crédito pela cena, que é reproduzida aos montes até os dias de hoje –mesmo 50 anos após sua morte, a imagem de Marilyn continua fresca na memória coletiva.

No entanto, o gênio por trás deste vestido frente-única branco e plissado é o figurinista William Travilla. Em 2011, a peça foi vendida por US$ 4,6 milhões pela casa de leilão norte-americana Profiles in History.

Travilla vestindo Marilyn Monroe

Segundo esses casos, meio lendas do cinema, a atriz conheceu Travilla ao pedir para usar o provador de roupas dele, no estúdio da Twenieth Century-Fox. A parceria foi longe e o figurinista, que conseguiu captar perfeitamente o espírito de Marilyn, acabou vestindo a diva em oito filmes no total. Aliás, Travilla ainda foi responsável por confeccionar outra peça marcante vestida pela loira: o vestido de cetim rosa de “Os Homens Preferem as Loiras” (1953). Ele é um dos grandes responsáveis por manter essas imagens vivas até hoje.

O figurinista também vestiu outros ícones do cinema, como Marlon Brando em “Viva Zapata!” (1952). Em 1950, ganhou o Oscar pelo figurino de “As Aventuras de Don Juan” (1948). E Whitney Houston chegou a usar um vestido do designer para ir à cerimônia do Grammy em 1986. Travilla morreu em 1990. Quase três décadas sem poder vestir Marilyn.

Marilyn Monroe sendo… Marilyn Monroe

“Um Corpo que Cai”, de Hitchcock, é eleito melhor filme de todos os tempos

James Stewart e Kim Novak protagonizam par romântico em “Um Corpo que Cai”

“Um Corpo que Cai” (1958), dirigido por Alfred Hitchcock, foi eleito o melhor filme de todos os tempos pela revista do Instituto de Cinema Britânico (British Film Institute). E claro que eu não poderia deixar de falar do trabalho da figurinista Edith Head, também conhecida por trabalhar com Hitchcock em “Janela Indiscreta” (1954) e “Pássaros” (1963), entre tantos outros filmes do diretor. Perfeccionista, Hitchcock tem a fama de que escolhia a sua equipe a dedo. E, claro, escolheu a melhor quando o assunto é figurino de cinema.

Mas uma das coisas mais interessantes nesse longa é o quanto as roupas possuem importância para o andamento da narrativa. Acho que isso se deve por causa da junção de dois gênios: Edith, mestre em figurinos, e Hitchcock, mestre em filmar uma boa história. Apesar de o filme ser antigo, não vou ficar contando o final por aqui, mas vale dizer que reviravoltas na trama acontecem por causa das roupas e da beleza da personagem vivida por Kim Novak. Abaixo, separei alguns dos looks exibidos pela misteriosa e dúbia Madeleine/Judy.

Essa é a primeira impressão que Madeleine passa para Scottie (James Stewart), responsável por investigar a vida da misteriosa loira. No requintado restaurante Ernie’s (em San Francisco), com um traje de gala e coque, a personagem deixa o policial encantado e rendido por sua beleza

Madeleine veste um elegante sobretudo branco

Tailleur cinza tem papel importante no filme, pois esse look perseguirá Scottie

Um Corpo que Cai/Reprodução

Joia de Carlota Valdez será responsável por colocar um ponto final na farsa de Judy

“Um Corpo que Cai”
Ano: 1958
Direção: Alfred Hitchcock
Figurino: Edith Head

Estilista da Pronovias resolveu criar vestidos por causa de Audrey Hepburn

Estilista catalão Manuel Mota está há 21 anos na Pronovias

Li uma matéria da Caras, nesta segunda-feira (23), em que o estilista Manuel Mota, da Pronovias , loja espanhola de vestidos para noivas, revela que resolveu seguir a carreira por causa de Audrey Hepburn.

Ao ver a atuação da atriz no filme “Bonequinha de Luxo” (1961), o catalão descobriu sua vocação.“Tenho de tornar as mulheres tão lindas quanto Audrey”, diz Mota para a revista.

Fofo, né? Eu adoraria viver em um mundo em que todas as mulheres se parecem um pouco com Audrey.

Veja algumas criações de Manuel Mota:

Coleção 2013 de Manuel Mota para a Pronovias

Audrey Hepburn serve de referência de estilo até hoje

“Bonequinha de Luxo”
Ano: 1961
Direção: Blake Edwards
Figurino: Edith Head

Jennifer Lopez também sabe brilhar nas telonas

Em “A Sogra” (2005), Jennifer Lopez está em um de seus melhores momentos no cinema

Jennifer Lopez está de passagem pelo Brasil. Essa é a primeira vez que a cantora vem ao país para subir aos palcos e fazer uma série de apresentações em território nacional. Neste sábado (23), estive na Arena Anhembi para ver o show dela em SP. A apresentação foi ok e, na verdade, o que mais me chamou a atenção é que, de pertinho, deu para ver o quanto ela realmente é dotada de uma beleza estonteante.

Nos cinemas, J-Lo também tem um bom repertório e já atuou em mais de 20 filmes, sendo que a maioria é comédia romântica bem água com açúcar. Mas existem dois filmes em que eu acho que ela está particularmente linda. Em “A Sogra” (2003), ela atua ao lado de Jane Fonda e como o pão que o Diabo amassou para conseguir se casar com o homem de seus sonhos.

Franja média permite criar muitos penteados

No filme, ela tem um estilo casual, mas o que realmente chama a atenção é a beleza dela. Os fios dos cabelos, levemente mais claros que o normal, valorizaram o tom da pele  dourada de Jennifer, que acaba apresentando um resultado radiante e supersaudável.

Também gosto do resultado da franja em um comprimento médio. Esse tipo de corte permite vários tipos de penteados para uma mulher!

Margot Boccia foi a responsável pela beleza de J-Lo em “A Sogra” (2005). A profissional já trabalhou com Jennifer em uma série de outros filmes, como “Dança Comigo?” (2004) e “Encontro de Amor” (2002).


Look de festa

J-Lo em seu momento Cinderela, no filme “Encontro de Amor”

Também no filme “Encontro de Amor” (2002), J-Lo mostra que, apesar das curvas de seu corpo, pode parecer uma diva e exibir elegância nas telonas. No longa, com roteiro de John Hughes (1950-2009), ela interpreta uma camareira de hotel, que vive um momento Cinderela com o par romântico Ralph Fiennes.

Na noite em que o casal vai a um baile de gala, Jennifer usa um vestido tomara que caia e com decote coração drapeado. O colar e o par de brincos de diamantes completam o look. Só esse coque exageradamente grande que não deu certo. Mas, mais uma vez, o tom da pele da atriz foi valorizado com a escolha da cor do vestido, um salmão bem clarinho.

Particularmente, não sou fã desse tom, um dos queridinhos, nos anos 90, para vestidos de festa. Mas, se quiser usar, é bom que tenha um tom de pele semelhante ou mais escuro que o de J-Lo. Mulheres muito brancas não sustentam um vestido como esse, pois ficam ainda mais pálidas.

Salmão era a cor queridinha para as festas. Ainda bem que essa moda passou…

“Encontro de Amor”
Ano: 2002
Direção: Wayne Wang
Figurino: Albert Wolsky

“A Sogra”
Ano: 2005
Direção: Robert Luketic
Figurino: Kym Barrett

“O Turista” mostra o melhor de Angelina Jolie

Angelina Jolie usa vestido branco de cetim com toque vintage em “O Turista”

Não é frequente mas, de vez em quando, acontecem esses momentos mágicos do figurino de cinema que ficam eternizados na nossa memória. Apesar de trabalhar constantemente com Johnny Depp, foi com Angelina Jolie, na pele da personagem Elise, que a figurinista Colleen Atwood (“Alice no País das Maravilhas”, “Sweeney Todd” e “Edward Mãos de Tesoura”) conseguiu mostrar o seu melhor e provou que também sabe vestir uma dama -e que pode fazer Depp parecer um cara normal.

Na minha opinião, “O Turista” foi feito para enaltecer o melhor da beleza de Angelina, já que o enredo não é lá grandes coisas. O curioso é que o filme foi dirigido por Florian Henckel von Donnersmarck, diretor do elogiadíssimo longa alemão “A Vida dos Outros”. Mas para que uma boa história se já tem Colleen vestindo Angelina com roupas inesquecíveis?

Veja alguns dos figurinos exibidos por Angelina em “O Turista”:

Primeiro look exibido por Angelina em “O Turista”

Angelina à la diva da Hollywood clássica

Salvatore Ferragamo agradece o merchan

Bem que esse look minimalista e vintage porderia ser usado por uma das musas de Hitchcock

Traje de gala: longo vestido preto é arrematado com joias do designer Robert Procop

“O Turista”
Ano: 2010
Direção: Florian Henckel von Donnersmarck
Figurino: Colleen Atwood